03/06/2015

A recta final da gravidez

Imagem retirada do National Geographic
Sinto-me como uma mulher da tribo Daasanach.
Não consigo vestir nada, tudo me aperta, não consigo ter apetite para comprar roupas novas (o que o meu marido agradece), só me apetece andar pela casa como a senhora da imagem, que é uma nativa desta tribo.
A mesma coisa com o cabelo, que só vou cortar e embelezar no pós-parto. Não é que esteja mau de todo, mas as hormonas fazem-me olhar para o espelho e achar que está tudo mal.
A pele do corpo está incrivelmente sensível, já nem o meu gel de banho preferido consigo usar e os meus produtos de rosto fazem-me pequenas alergias.
Já não há posição para dormir, sentar, deitar, estar de pé.
Estar quieta também não é para mim, mas até à menina nascer, não tenho outro remédio. 
O apetite mantém-se, não sei se vou levar um "tau tau" do obstetra na última consulta, mas se for como a mais velha já sei que pelo menos 14 kilos vão embora num mês. Bendita amamentação!
Em comparação com a primeira gravidez, esta foi mais dura e o corpo ressentiu muito mais. Mas como me dizem todas as mães, não são todas iguais, quer a nível de sintomas ou transformação corporal.
A mala da maternidade está mais que pronta, com tudo o que a boneca terá direito. A primeira roupinha vai ser da Knot como a irmã, os restantes conjuntos foram os da irmã combinados com algumas coisas novas.
A mamã também já tem o saco pronto, só falta mesmo uma roupa confortável para sair do hospital.
Vou optar por algo simples e leve. Acho que vou à Sabão e Limão, pois fiquei com água na boca da saias que estavam a vender no Summer Market da Stylista.

2 comentários:

  1. Falta poucoo =) Quando acabar a gravidez aposto que vais sentir falta apesar de todo o desconforto =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Adoro a gravidez, sempre gostei até dos vomitados.

    Depois, perde-se um pouco de nós e ganha-se muito de outro.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Bring it on!