03/07/2009

Geração Morangos Azedos


Quando a série dos Morangos com Açúcar saiu em 2003, confesso que achei piada à originalidade, às personagens "frescas" e aos elementos cómicos.
Mas penso que deve haver uma altura em que se tem de dar um fim a tudo, pois a série já não
tem ponta por onde se lhe pegue e os morangos já apodreceram há muito tempo.
Basta ver pelos miúdos de hoje em dia que se vestem todos da mesma forma, que não têm nenhuma ideia de vida a não ser as saídas à noite para Santos, que fumam sem idade para tal e que mal sabem abrir a boca para construir uma frase com pés e cabeça.
Ontem à noite, no Vasco da Gama, assisti a uma cena digna de um trecho de um episódio dessa série que apena indoutrina os jovens de hoje em dia.
Após ter comprado o meu belo vestido, a fome apertou e na típica confusão daquele Centro Comercial, jantámos no meio da zona da restauração partilhando a mesa com desconhecidos.
Ao nosso lado estava uma garota de seus doze ou treze anos, que me aborreceu tremendamente com uma conversa que estava a ter ao telefone com um amigo qualquer.
Cada vez que atendia o telefone a esse amigo, que lhe ligou umas quinhentas vezes ao jantar, dizia-lhe que era um chato, que já estava farta de atender as chamadas dele.
Vamos lá a ver uma coisa? Se eu não quero atender o telefone a alguém, rejeito a chamada ou então deixo ir para o voice mail.
Irritou-me por várias razões, por estar a tentar dar um triste espéctaculo à frente da avó, revelando uma tremenda falta de respeito por ela e por estar a ter uma conversa tão básica que só me vinha ao pensamento,aquela canção do Gabriel o Pensador.
Não percebo os miúdos de hoje em dia, quantas vezes eu fui sair para Santos e vi rapazes e raparigas sem idade para entrarem em bares e discotecas, completamente enfrascados e a fumar como se não existisse amanhã.
Já chegou ao cúmulo de ter visto uma aluna do Liceu Francês, embriagada nas escadas das Amoreiras à hora de almoço.
Foi um triste espectáculo...
Eu quando tinha doze ou treze anos, pensava em jogos de computador, em brincar, não tocava numa gota de alcóol (nem em ocasiões importantes) e maquilhagem só se fosse no Carnaval, porque fora disso levava um valente raspanete e uma palmada no rabo.
Apesar disso, sempre tive objectivos na minha vida, sempre soube aquilo que queria ser, sempre tive o desejo de me casar e de constituir uma família.
Constituir família com bons valores morais, hoje em dia é algo que para muitos é demodé , que não passa na cabeça destes jovens podres, que só pensam em curtir com tudo o que lhe aparece à frente e até já existe competição entre eles e elas ,de ver quem é que anda com mais namorados ou namoradas.
No meu tempo isto limitava-se aos rapazes, mas nos tempos que correm são as raparigas que também têm este tipo de atitude e, por consequência, adquirem rótulos pouco dignos...
Claro que existem excepções há regra e eu podia citar imensas!
Conheço algumas meninas, na teen age que são exemplos de educação, de responsabilidade e de estudo.
Para mim o problema desta geração azeda, reside na falta de educação, na falta de responsabilidades e na falta de limites.

Esta geração de morangos azedos a caminhar para o podre, pura e simplesmente, não sabe dar valor ao quer que seja.

7 comentários:

  1. E claro que esta série não passa de um péssimo exemplo que devia simplesmente ser banida da televisão. A intenção daquela "diarreia" (desculpa-me a palavra) televisiva, penso que era a de imitar uma série brasileira que era a Malhação, mais tarde renomeada para New Wave. Só que essa série brasileira tinha bons exemplos, focava problemas e as personagens davam exemplos correctos aos adolescentes. Nesta porcaria dos morangos é só miudos e miudas parvas e futeis, sem inteligência nenhuma que só fumam e bebem e querem ter muito estilo, mas que não passam de pura porcaria.
    E claro, hoje em dia já só vemos adolescentes à imagem dessa tristeza... é uma pena. Mas filhos meus (que ainda não tenho) não vêm essa porcaria... nem que tenha de tirar a televisão de casa.

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo Su, aquilo não passa de uma podridão.
    A miúda de ontem só sabia falar dos bares, dos amigos que chegavam ao pé dela e não lhe falavam, dizia "tipo" umas vinte vezes em cada frase.
    Já estava com uns nervos só de ouvir...

    ResponderEliminar
  3. A última frase diz tudo sobre um certo tipo de juventude. Porque também acredito na juventude com objectivos, com pais que lhes souberam incutir, na devida altura, os valores indispensáveis a uma vida em sociedade.
    Pode ser que seja, apenas, uma fase má.
    Tenhamos esperança que, tal como uma praga de carraças, esta "morangada podre" desapareça com uma boa chuvada de Verão.

    ResponderEliminar
  4. É realmente triste as cenas que se assistem hoje em dia... as crianças (ainda são crianças!) querem ser precoces há força, com o detalhe de querem agir sem saberem pensar. Basta passar nas escolas básicas para nos apercebermos de como as coisas mudaram! Eu tenho 23 anos, não saí do básico assim há tantoooo tempo, mas já não reconheço a criança que fui nas criaturas que lá vejo.

    ResponderEliminar
  5. E o pior é que a série é vista não por jovens das idades deles mas por crianças com menos de 10 anos...

    ResponderEliminar
  6. Eu estou completamente out da geração MCA. Quando a séria começou já eu abominava aquilo.
    Deixei de sair à noite quando as discotecas e bares começaram a parecer jardins de infância.
    E como se não bastasse agora também há uma novela igual na SIC, não é?

    O que eu anda acredito é que seja uma fase e que nem todos os jovens fiquem "amorangados". Mas podres aqueles morangos sempre foram, especialmente por "retratarem" uma realidade que não é a dominante cá.

    Bj

    ResponderEliminar
  7. Eu concordo TANTO com tudo o que aqui dizem que nem vou dizer mais nada...
    Jokas

    ResponderEliminar

Bring it on!