21/05/2009

Vocação Religiosa

Estou num itinerário de formação Cristã há já algum tempo.
Não posso explicar o conteúdo do mesmo, porque passaria aqui uns bons dias a falar e era capaz de causar aí umas quezílias, porque eu tenho uma forma muito própria de ver as coisas.
Mas como o meu pai me ensinou, não se discute política, nem futebol nem religião, pelo menos de uma forma acalorada, não vai ser hoje que vamos entrar em discussão harmoniosa.
Há uns dias atrás, um grupo da minha paróquia, partiu para Israel para um encontro com o Papa e com o Fundador do Caminho.
Ajudámos aqueles miúdos todos, a juntar mil euros (para cada um) para pagarem a viagem, pela compra dos bolos, de t-shirts alusivas à peregrinação e até limpa-vidros para os bólides.
Fiquei com imensa pena de não ter ido e já é a terceira peregrinação a Israel que não posso ir, a primeira foi em 1997, a segunda em 2000, e agora esta...
Isto significaria faltar uma semana no trabalho (Está bem abelha!), e gastar dinheiro que vai fazer muita falta para o casório.
Nesses encontros, o Papa faz o apelo e pergunta quem é que sente o chamamento para uma vocação religiosa.
Uma rapariga de 14 anos do meu grupo, levantou-se e foi receber a benção do Papa himself, por forma a dar início a esse longo Caminho que tem pela frente.
Quando o grupo chegou a Lisboa, eu não tinha a mais pálida ideia do que tinha acontecido, mas a M. vinha com um brilho diferente, uma luz que emanava dela e um enorme sorriso nos lábios.
A M. vinha mudada, transmitia uma tranquilidade e uma segurança que não era habitual nela.
Antes da Eucaristia,meti-me com ela e perguntei-lhe o que é que se passava e a M. lá me contou com as seguintes palavras:"Eu levantei-me!". Eu não sei que cara fiz, se de espanto, se de angústia ou de felicidade. A M. abraçou-me e disse-me que estava tudo bem, que se sentia feliz e que se não fosse esta a vocação para ela, mais cedo ou mais tarde descobriria.
Os pais da M. estavam radiantes, felizes e orgulhosos da filha que escolheu um caminho, que hoje em dia, é muito mal visto pela sociedade. Quem é cristão, é olhado de lado, é questionado, é criticado e rotulado a tortoma direito e nos dias de hoje, sociedade e moral cristã não andam de mãos dadas.
E muitas vezes eu sou questionada, porque já não tenho tempo para os cafés, porque já não demonstro à vontade em conversas que não me dizem nada, nas fofocas do "outro que anda com aquela mas que tu és mais gira do que ela", o porquê de ter o sábado e alguns dias da semana ocupados, porque já não vou de férias na Páscoa e já não posso ir passar fins-de-semana de diversão, naqueles feriados que acabam por ser importantes para mim.
É díficil explicar e isso causa, muitas vezes, o afastamento. Falo por mim, neste ponto, não pelos outros...
Mas eu escrevi para falar da M.
Eu andei com a M. ao colo, fui baby-sitter dela e de mais uns quantos irmãos e é lógico que ainda estou num estado de espírito que mistura a felicidade e o choque.
Quando voltei para Oeiras, soube que a I. que era uma rapariga do meu antigo grupo, tinha entrado na Ordem de S. Bruno, que é das ordens mais estritas do clero, de extrema clausura e silêncio (quase) absoluto.
Eu olho para os pais dela e não os vejo tristes, e sei através de amigos que, quando a conseguem visitar, que a I. apresenta a mesma postura que a M. trazia quando veio de Israel.
A I. já lá está há quatro anos...
Soube de casais de namorados que seguiram este chamamento e que integraram a Ordem de S. Francisco, ele na parte masculina e ela na feminina, e lá continuam passados cinco anos.
Eu acho que nunca seria capaz de optar por uma vocação religiosa, mas também não posso falar daquilo que não conheço.
A minha mãe, antes de conhecer o meu pai, esteve integrada numa ordem de irmãs no Norte, mas não chegou a fazer os votos finais.
E, apesar de se ter casado, sempre levou uma vida cristã e transmitiu-nos esta forma de estar na vida.
Talvez durante alguns anos eu me tenha esquecido desses ensinamentos, mas a verdade é que temos sempre uma segunda oportunidade na vida para tudo.
Só espero que a M., a I. e todos aqueles que optam por esta vocação, sejam felizes.

19 comentários:

  1. Querida Peper por acaso ia mesmo comentar este novo look, e depois vi que me tinhas pedido para comentar-risos! Olha gosto muito muito, está mais sóbrio na minha opinião.
    No entanto, e se me permites uma sugestão, acho que na imagem lá em cima, no canto superior esquerdo, ficava giro assim uma femme a ler o jornal num sofá ou numa poltrona vermelha. Claro e só uma sugestão, e assim está muito bem, gostei muito.
    :)
    P.S. Posso não comentar sempre, mas podes estar certa que todos os dias passo por aqui a ler-te! Porque não é todos os dias que encontramos uma outra Laetitia mesmo interessante.;)

    ResponderEliminar
  2. Lol... Muchas gracias!

    Eu tentei mudar, mas ainda sou muito "banana" no html.

    :D Same here... Será que correspondes ao nº2 que aparece no meu B.I?

    bjs

    ResponderEliminar
  3. Todas as pessoas verdadeiramente vocacionadas para aquilo que fazem têm uma aura à volta delas.

    ResponderEliminar
  4. Gi:

    Concordo! Até parece que foi "feito" para elas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Bem eu confesso que tb não sou muito entendida nestas coisas, por isso acho que tb não posso ajudar :(

    ResponderEliminar
  6. Laetitia (é tão estranho!)

    Relativamente ao B.I.

    Pois... Disseram-me isso. Não sei se é verdade ou não.

    ResponderEliminar
  7. Olá!
    Obrigada pela visita ao meu espaço, embora tenha acontecido em dia não...
    E agradeço a preocupação.
    Está tudo bem, felizmente acabou por não passar de um susto:)
    Quanto a este post, religião também é um assunto muito delicado para mim, já que tenho uma forma muito própria de lidar com ela.
    Admiro estes jovens que são capazes de seguir uma vocação tão particular e tão exigente, embora não tenha a certeza se todas as ordens irão de encontro àquele espírito de abnegação e devoção a outros, normalmente o motivo principal para essa entrega, já que a Igreja Católica tem, na sua própria estrutura, contradições a esse nível.
    Mas se eles têm essa certeza, é só o que conta, não é?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Si:

    Concordo contigo...
    Infelizmente, não digo a Igreja Católica, mas existem muitos padres (E outros) que não foram muito de acordo com o Concílio Vaticano II.
    A Igreja tem sofrido grandes alterações desde o tempo da conversão de Constantino e dos Romanos ao Cristianismo.
    E eu compreendo a confusão de muitos, nos dias que correm.
    Posso dizer-te que estou em paz e que neste momento sinto-me feliz pela M. porque a devoção dela é a Deus e não aos outros.
    Mas sim, ela está certa do que quer e isso vale muito.

    Beijinhos

    PS: Volta sempre que quiseres.

    ResponderEliminar
  9. Ó minha Estrellinha acabei agora de ler (porque raramente lá vou) que a tua vocação religiosa te fez ganhar umas Salsa Secret. :D Parabéns.

    ResponderEliminar
  10. Gi:

    É verdade...

    E tudo para não fazer um teste de Matemática!

    Ahahahha.

    Bigada

    ResponderEliminar
  11. Estava a ler os comentários e em primeiro lugar queria dizer-te que gosto bastante do novo Look, apesar de achar que podias mudar o sofá lá em cima...

    Quanto à vocação religiosa, e seguindo a minha linha de raciocinio de um dos meus recentes posts, penso que o que é verdadeiramente é cada pessoa encontrar o seu lugar óptimo, aquilo que a concretiza e a torna feliz. Para uns será a vida a 2, para outros a carreira profissional, para outros uma vocação. E penso que ninguém deverá nem poderá ver com maus olhos as escolhas dos outros, independentemte da sua própria escolha.

    Felizes daqueles que têm a sorte de atingir esse objectivo, pois acredito serem poucos os sortudos.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Su:

    Eu sou uma naba nestas coisas de html...
    Concordo contigo em todos os aspectos.

    Beijinhos

    PS: Os convites já cá moram! :D

    ResponderEliminar
  13. Primeiro, o template está fantástico! Parabéns!
    Quanto ao post, acho mesmo que cada deve seguir aquilo que nos faça sentir bem e logo seja o caminho que escolhermos! ;) acho muito bem!

    ResponderEliminar
  14. Obrigada pela vista ao meu espaço!
    Bem, este assunto é um pouco delicado...
    Cada vez mais, o catolocismo é visto de várias formas e nenhuma delas muito boa..
    O catolicismo é uma via, em vias de extinsão

    *

    ResponderEliminar
  15. Quando o assunto toca a religião, só tenho uma coisa a dizer: respeitem a minha opção de não acreditar, tal como eu respeito a opção de quem acredita. E, em parte, tenho inveja de quem consegue descobrir a fé. Beijoca!

    ResponderEliminar
  16. Estrela de Cetim:

    Não concordo que esteja em vias de extinção, as pessoas confundem muito o cristianismo com a alienação na religiosidade. São coisas distintas...

    Volta sempre!

    Beijos

    Rafeiro Perfumado:

    Claro... Já não estamos no tempo da inquisição.
    Olha que a descoberta da fé é algo que te dá uma sensação de paz e bem estar interior.

    Beijoca e até dia 31 às 16h07 ou 16h06? Agora estou confusada.

    Beijos

    ResponderEliminar
  17. Acho que cada um à sua maneira, tem um pouquinho de fé, seja em Deus, seja em Krishna, em qualquer coisa que nos dê força na vida.

    Acho que há lugares que estão carregados de algum misticismo e até as pessoas menos crentes se sentem bem nesses mesmos sítios, sentem-se em PAZ.

    Acima de tudo, há que respeitar as opções e as escolhas.

    E torna-se cada vez menos comum alguém encontrar uma vocação diferente da dos actuais estéreotipos da sociedade, e é muitas vezes discriminada... eu cá acho de louvar!

    Espero que a M. seja muito feliz com o caminho que escolheu e que tenha muitos amigos como tu, Pepper, que estejam ao lado dela nesse momento feliz.

    [Um Sorriso]

    ResponderEliminar
  18. A religião é o que é e vale o que vale. Sou uma pessoa de muita fé,mas não sou religiosa de ir à missa e afins.Talvez sejam apenas perspectivas diferentes de um ser superior.:)

    ResponderEliminar
  19. Ao passar pelo blog, porque ouvi o programa da RAdio Comercial, não pude deixar de parar para ler este post.
    Muitas vezes não "ouvimos" o chamamento divino, porque andamos atarefados com a labuta do dia-a-dia e perdemo-nos nos afazeres do mundo, contudo o Mestre continua a chamar (Estou à porta e chamo, se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele - cf. Jo) e espera calmemente, sem pressa, que a Sua voz faça eco no coração.
    E quando essa voz se faz ouvir, nada mais fica como antes, transfoma-mo-nos completamente, ficamos radiantes.
    Não esqueças o que aconteceu aos discípulos a caminho de Emaús, que depois de reconhecerem o Senhor na fracção do pão, voltaram cheios de alegria para Jerusalém.
    A vida e conversão de muitos santos tem a sua génese no encontro com Cristo. Mas se uns optam pela vida religiosa e consagrada, outros seguem a vida matrimonial, que também é uma vocação, fazer o outro feliz é o objectivo, pois só assim seremos felizes.

    Parabéns pelo blog e pelo seu aniversário.

    ResponderEliminar

Bring it on!